Formastérus, um craque nas pistas e na reprodução | Jockey Club Brasileiro

Formastérus, um craque nas pistas e na reprodução

Neste domingo, 12 de agosto, mais uma vez, o Jockey Club Brasileiro homenageia um dos pilares da criação Paula Machado, o francês Formastérus (foto), com a realização de uma Prova Especial, em 2.800 metros, grama.

Importado por Linneo de Paula Machado Formastérus era um filho de Astérus e Formose, por Clarissimus, pedigree que fazia parte do esquema genealógico típico da criação Edmond Blanc, herdada por Marcel Boussac e que, baseado nele, haveria de deter a hegemonia da criação francesa nas décadas de 1930 a 1950.

Na França, aos dois anos, Formastérus correu apenas três vezes, com os seguintes resultados: 1º no Prix Faucher (1.300m) e 2º no Prix de Sablonville (1.000m). Depois obteve os seguintes resultados: 1º no Prix Merlin (1.500m); 1º no Prix de L’Esplanade (1.700m); 1º no Prix de Rollepot (1.500m); 1º no Prix Edgar-Gilois (2.600m); 2º no Prix de Chantilly (3.000m); 2º no Grand Prix de Deauville (2.600m); 3º no Prix Eugene Adam (2.000m), as três últimas, hoje, provas G2, a primeira  em 2.400m, o Deauville, em 2.500m, também G2, e o Eugène Adam, em 2.000m.

No Brasil, Formastérus conquistou os GGPPs São Paulo (3.200m); Jockey Club do Rio de Janeiro (4.000m); América do Sul (2.800m); Cidade de São Paulo (2.000m); Presidente do Jockey Club (2.400m); Governador do Estado e a Taça Mappin & Webb (2.400m).

Na reprodução, Formastérus foi excepcional, com um grande número de filhos ganhadores clássicos, dos quais se pode citar: Heliaco (foto) (Saphinha, por Trinidad, um dos maiores cavalos da história do turfe nacional, bicampeão do GP Brasil (47 & 48) dos GGPPs Ipiranga (46), Derby Paulista (46), Cruzeiro do Sul (47), 16 de Julho (47), Distrito Federal (47), Doutor Frontin (47), entre outros classic sire (Gomil, Valence, Fragonard etc..),  Carducci (Tacy por Tomy II, campeã do GP Marciano de Aguiar Moreira (41)); Fontaine (Tacy por Tomy II, ganhadora dos GGPPs Henrique Possolo (45), Outono (45), Marciano de Aguiar Moreira (45), Cruzeiro do Sul (45), Diana (45) e Major Suckow (46); Finesse (Saphinha, por Trinidad, vencedora do GP Diana em 47), Heron (Tacy por Tomy II, GP Doutor Frontin, segundo no GP Brasil de 1947), Jabuti (Huran, por Thermogene, que venceu os GGPPs Linneo de Paula Machado (48) Derby Paulista (48), Maki (Canicula, por Copyright (segundo no GP Cruzeiro do Sul, avô materno clássico – African Boy, Liselotte, Apple Honey), Quebec (Ascot Sun, por Tai-Yang, ganhador do GP Ipiranga (54), segundo no GP Derby Paulista, reprodutor clássico (Místico, Iguape etc..), Quadrilha (Tacy por Tomy II, ganhadora do GP Mariano Procópio e GP Almirante Marquês de Tamandaré, mãe clássica (Devon,Charmante) (55), Queen Fairy (Canicula, por Copyright), GP 25 de Janeiro, então do SP das éguas, notável reprodutora, ascendente de Liberté, Vice Reine, Dominó, Ebbrezza, Canzone, Toreador, Aporema, Fantasie, Ling, Plenty of Kicks etc…) Rocket (Jezabel, por Bosphore, ganhador em 1955 do GP Ipiranga e em 1957 do GP Jockey Club Brasileiro.

Formastérus também se mostrou um excepcional avô materno. Entre muitas de suas netas e netos, destacaram-se: Turqueza, (Fort Napoleon e Finesse), que conquistou o GP Diana de 58; Roleta, (Ever Ready e Finesse), ganhadora do GP Henrique Possolo em 56; Devon (foto) (Fort Napoleon e Quadrilha), ganhador em 1963 do GP Cruzeiro do Sul e em 64 do GP 16 de Julho; Brigitte (Blackamoor e Queen Fairy), vencedora dos GGPPs Linneo de Paula Machado e Francisco Vilella de Paula Machado em 1961 e Henrique Possolo (62); Okinawa (Maranta e Favinha), que conquistou os GGPPs Diana (o primeiro como o Oaks carioca) e Henrique Possolo de 1953.

por Fernando Lopes com Assessoria da Gerência de Turfe – fotos: Internet

Gostou da notícia? Compartilhe!